quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Santa Ceia com biscoito e cafezinho.


Hoje liguei o computador e entrei no site do Caio Fabio e estava passando o programa Papo de Graça, onde o Caio estava ministrando a Ceia do Senhor em casa, com seus amigos, e convidou a todos que assistiam pela internet a participarem individualmente ou em grupo online. Naquela hora me veio um desejo de participar pela simplicidade e espontaneidade de como aquela Ceia acontecia, sem pompa e hora marcada, como eram todos os acontecimentos em torno de Jesus. Eu não bebo alcóol, nem vinho e meu suco de uva tinha acabado... o que fazer?

Um dos participantes online escreveu no chat, que foi lido naquele momento, que estava no trabalho participando com biscoito maisena e café. Aí discerni, pensei e a cadeia se quebrou na minha mente. A ficha caiu! Me perguntei: Por que tenho que ficar limitado nessa mentalidade travada de crente? Por que tudo para crente é NÃO PODE! NÃO TOQUE! NÃO FAÇA!, se Jesus é o exemplo do “SIM” do “NÃO” legalista?

Naquele momento eu estava acabando de passar meu cafezinho da manhã e peguei meu biscoitinho integral e com alegria e desprendimento pude participar da Ceia do meu Senhor, sem culpa legalista, reunido em espírito e online com os irmãos, sem aquela mentalidade herdada do catolicismo romano, com seus ecos e reverberações dentro do protestantismo, onde só sacerdotes, obreiros e diáconos podem servir a Ceia aos leigos. Por que não ter comunhão com os irmãos em casa, em um chá-da-tarde com biscoitos, em memória do nosso Senhor e Salvador? Quem disse que para sentar-se à mesa com o Senhor você precisa estar dentro do "saleiro cristão", sentadinho no banco esperando um clérigo evangélico ou católico determinar se você pode ou não participar? Quem disse que o que é ortodoxo para a igreja é ortodoxo para o Evangelho? Pensar nisso é heresia para o filho da religião... sua cabeça programada dói.

Se os cristãos de hoje fossem programados para pensar no que realmente importa, saberiam que o discernir é pré-requisito para compreender o Evangelho, isto é, discernir o Corpo de Cristo, é entender o que ele representa e separá-lo, é compreender o real significado da morte do Cristo na cruz. Não discernir o Corpo de Cristo, é ser legalista, filho da religião, vendilhão do templo, lobo vestido de ovelha se aproveitando do nome de Jesus em benefício próprio, é ver a igreja institucional com a grande mãe, e por aí vai...

A religião cristã ensina que discernir o Corpo de Cristo é “respeitar” como ídolos o pão e o suco de uva da Santa Ceia, ter temor desses elementos, mesmo que a pessoa seja uma hipócrita, que no íntimo não seja discípulo de Jesus, mas se for batizado nas águas e se contribuir com a “caixinha” do dízimo, que são pura exterioridade para “crente ver” nesses ambientes, pode participar a vontade. O contexto de 1 CO: 11 não trata dessa forma.

Vale deixar uma pergunta no ar: Se Jesus afirmou que o Reino dos Céus é das crianças, certo? Então por que elas não podem participar da Santa Ceia como membros legítimos do Corpo de Cristo? Quem está incluído no Reino dos Céus, e não deve ser embaraçado para se chegar ao Senhor, está livre dessas questões de consciência, e já está autorizado à sentar-se a mesa com o Senhor. O adulto plenamente consciente é que tem que examinar a sim mesmo previamente. Pensar nisso é outra heresia para o filho da religião... sua cabeça programada dói mais, fica escandalizado, etc...

o participar dessa Ceia com o Senhor com meu biscoitinho e cafezinho nessa manhã, e no findar desse ano de 2010, agradeço pelo ano maravilhoso de bênçãos e reencontro contínuo com o que realmente importa, o Evangelho.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Como acabar com o curral religioso?


A solução não é simples, principalmente para a pessoa de mente acomodada, que não possui uma consciência firme do Evangelho, que diz amém para qualquer bobagem que ouça de alguém que possua um título eclesiástico.

O preço que se paga para não ser marionetado nesses ambientes controladores é descobrir dentro de si a coragem, sobriedade e desprendimento que o Ap. Paulo teve de crer em Jesus por sí só, sem precisar de coleiras religiosas. Essa liberdade de pensar o Evangelho dá insegurança no início, pois a maioria dos evangélicos está acostumada a ser mandada e controlada, e na verdade se acomoda nessa situação muitas vezes conveniente de sua preguiça mental.

A coragem de se apropriar da liberdade que o Evangelho nos dá é para adultos na fé e não para meninos que seguem todo vento de doutrina. Para exemplificar, é a liberdade de crer em Deus como se vivesse em uma ilha deserta, só você e Ele, sem depender de terceiros, sem ter a Lei e os homens como aios.

Essa liberdade dá medo e vertigem, faz perder o chão religioso, mas se você refletir bem, o "Rotary" religioso não vale nada, o que realmente vale é a devoção individual à Deus, pois as pessoas prestarão contas INDIVIDUALMENTE a Ele. Se amanhã todas as igrejas (de concreto) estivessem extintas por uma hipotética ordem de um suposto governo tirano, muitos crentes simplesmente desviar-se -iam da fé em Cristo, pois a relação deles é com a igreja de Deus e não com Deus da igreja.

A grande inimiga dessa postura de abrir o coração para o que realmente importa é a preguiça de consciência, a maioria dos crentes prefere estar na segurança da coleira de um tutor, dentro de um saleiro. Optam pelo que é mais cômodo: Submissão e dependência a um "guru" evangélico, pois é mais fácil do que ler a Bíblia, buscar discernimento de Deus, decidir sem buscar profetas e profetadas, orar sem pedir oração a um pajé evagélico, e viver uma vida com Ele, autônoma, sem ser teleguiado do "superego" eclesiástico do engano. Essa mentalidade livre enxerga a igreja como um meio de convivência e comunhão comos irmãos e não como uma "mãe" controladora com um fim em si mesma.

Dica simples pra começar a mudar: Parafrasenado o Pr Caio Fabio, diria: "Leia o Novo Testamento de carreirinha como se fosse um livro normal", sem ficar isolando versículos, temas e subtítulos, para ententer todos os contextos... E tudo o que você encontra nas igrejas e nas religiões e não encontrar nessa leitura pura e simples do Evangelho, jogue no LIXO sem medo. Não pense em se omitir... Você é responsável perante Deus por suas decisões e omissões. Não adianta esconder essa resposabilidade pessoal debaixo do tapete da igreja.

Na vida, na comunidade, na igreja, na família, no mundo, em tudo mais só vale o que tem a ver com o Evangelho de Jesus. Simples assim! Essa é a diferença entre meninos e homens... entre meninas e mulheres.

“Uma bíblia mal lida faz tanto mal quanto uma bíblia não lida”

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Quando Jesus me abraça.



Quando Jesus me abraça, meu propósito muda, meu olhar muda, meu sentimento muda...

Quando Jesus me abraça, eu abraço as pessoas, eu abraço a natureza, eu abraço o amor à vida...

Quando Jesus me abraça, eu não me contento mais com o saleiro religioso e salto para a liberdade do Evangelho, me diluindo no mundo, salgando e dando gosto à vida dos outros...

Quando Jesus me abraça, lanço minha melhadas ao chão, pois toda glória humana perde o sentido...

Quando Jesus me abraça, passo adiante seu amor até sem palavras, nos gestos, no toque ou mesmo através de um olhar...

Quando Jesus me abraça, dou valor aos pequenos milagres do dia-a-dia, e louvo a Ele por me permitir os enxergar...

Quando Jesus me abraça, entendo que passei da morte para a Vida e sou indestrutível...

Quando Jesus me abraça, eu abraço um verdadeiro amigo.


Renato

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Embrace Life: O video do ano do Youtube.



O Youtube elegeu o vídeo Embrace Life (Abrace a Vida) como o melhor de 2010. Trata-se de uma campanha da britânica Sussex Safer Roads Partnership para incentivar o uso do cinto de segurança dos automóveis.

As imagens mostram na sala de uma casa um pai que finge dirigir em câmera lenta e, ao perder o controle do carro, ele é salvo pelo abraço (metáfora do cinto) da filha e da mulher.

O vídeo já foi premiado com um Leão de Bronze em Veneza. Agora, receberá do Youtube 87 mil euros, cerca de R$ 204 mil. Foi assistido mais de 11 milhões de vezes.

fonte: Paulolopes weblog


Perdi um colega de trabalho no último feriadão em um acidente, no qual ele foi lançado fora do automóvel durante a capotagem, simplesmente por não usar o cinto de segurança, e isso foi fatal. Quem estava usando o cinto, no carro, sobreviveu. Perdemos um amigo, um jovem de 22 anos.

Usemos o cinto, sempre!


sábado, 20 de novembro de 2010

Pastor Brasileiro proíbe uso de dispositivos USB.


A tecnologia USB foi proibida em um templo no interior de São Paulo. O líder do culto afirma que o símbolo padronizado para representar o USB é parecido com um tridente, e por isso seria um artifício do Demônio.

Welder Saldanha, fundador do templo, vetou a utilização para aqueles que seguem seus ensinamentos. "O símbolo disso (ele se recusa a pronunciar o nome da tecnologia) é um tridente, que é usado para torturar as almas que vão para o inferno. Isso mostra que todos os usuários dessa tecnologia são adoradores do Satã" – afirma ele.

Para acalorar ainda mais a polêmica, o pastor ainda explicitou que o Bluetooth seria algo divino. Por quê? Porque o seu símbolo é azul, “a cor dos olhos do nosso salvador Jesus Cristo”, completa Saldanha. Pelo menos as pessoas que vão ao templo ainda têm uma forma de trocar dados, não é mesmo?

fonte: www.baixaki.com.br

Comentário muito pertinente de um membro do forum do site baixaki:

"De tempos em tempos isso acontece e algum líder religioso liga uma nova tecnologia ao demônio. Foi assim com o código de barras ( marca 666 da besta ) , com a TV ( que ironicamente hoje é usada massivamente para a pregação de diversas religiões , proprietárias inclusive de canais via satélite )... e também os cartões de crédito ( tão usados hj em dia nas compras em lojas de artigos religiosos) . Isso é bem antigo , lembram quando Galileu Galilei disse que o Sol era o centro do universo e não a Terra ? Quase foi queimado pelo santo ofício! É , essa caça as bruxas nunca termina mesmo. Se na idade média era a inquisição ajudando a manter o poder absoluto do rei que queimava inimigos políticos acusando-os de bruxaria , hj temos um monte de mini-seitas que promovem suas caças particulares às bruxas em benefício de seus líderes locais. Do jeito que alguns segmentos pseudo-religiosos são ávidos por lucros , daqui a pouco vão lançar no mercado o "computador santo" que não tem mais USB e só vem com Bluetooth... claro que se você tem o cartão magético de membro da igreja tal e comprova que suas doações financeiras estão em dia ,poderá ter um desconto na compra de sua unidade. "



Os evangélicos estão cada vez mais supersticiosos, vendo chifres em tudo. Enquanto ficam se distraindo procurando símbolos satânicos nas coisas, suas vidas ficam cada vez mais longe do Evangelho, ficam mais servos do dinheiro e do conforto que ele proporciona. Ficam mais pagãos, enlouquecendo ligados às correntes, sacrifícios e às mandingas dos "pajés evangélicos".

Ao pastor Welder, que fica criando esquizofrênicos, só me resta dizer o que consta em Rm 2:24:


"Porque, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por causa de vós."

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Sergio Pimenta: Aquele que me ama.





"Sergio Pimenta foi um dos principais compositores evangélicos brasileiros. Participante da primeira geração de autores nacionais de Vencedores por Cristo, foi presença obrigatória em todos os principais discos e grupos musicais dos anos 70 e 80, como compositor, violonista e cantor. Autor de músicas como Cada Instante, Você pode ter, Quando a glória, Pescador, Ele é o teu louvor, Tudo ou nada, Vou chegar, Resposta Certa, Aquele que me ama, É preciso, Vem comigo, Fruto da semente, Para sempre e mais, Quando se está só, A moça do poço, O que me faz viver, Fonte, Só quem sofreu, e mais de 300 composições, será lembrado para sempre como um músico de Deus, um original raro, autor de canções dignas do “amor que jamais acaba” e legítimo herdeiro de I Co. 13.

Falecido em 1987, de câncer, aos 32 anos, é com alegria que divulgamos um pouco de sua vida e obra, em reconhecimento à sua enorme contribuição à música evangélica nacional."

fonte: http://www.monergismo.com/textos/biografias/biografia_sergio_pimenta.htm


Tenho esse CD do Grupo Semente como uma preciosidade, amo todas as músicas, e é um louvor inspirado pelo Senhor, que está cada vez mais escasso em nossos dias. Sergio Pimenta está na Glória com nosso bom Deus, nos aguardando para juntos louvarmos a Ele por toda Eternidade.


Aquele que me ama

Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, Esse é o que me ama (2x)

E aquele que me ama será amado por Meu Pai
E Eu também o amarei e Me manistarei a ele

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O "barco furado" da judaização na igreja evangélica brasileira.







A judaização na Igreja Evangélica, de modo geral, é uma ferramenta muito útil para manter o povo de Deus condicionado a obedecer dogmas denominacionais e mandamentos de homens. Um povo sob opressão legalista e fobia de maldições é facilmente manobrável e pronto a obedecer as ordens dos falsos profetas. Esse é o segredo dessas igrejas que amam manter o povo sob a tutela da Lei, com um fim proveito$o... claro!.

O apóstolo Paulo foi mais perseguido pelos judaizantes do que pelo próprio diabo, basta ler em Atos dos apóstolos e nas suas cartas. Ele não negociava essa hibridização judaico-cristã , chegou a ter um embate face-a-face com Pedro, o qual tinha se deixado levar por esse sutil fermento de engano (Gl 2:11-14).

Ainda existem ovelhas ignorantes, que não leêm a Palavra por sí mesmas, só repetem o engano ensinado nos púlpitos ávidos em obter controle por meio do chicote da Lei, e que ainda defendem os opressores que se aproveitam dessa ferramenta para alienar o povo, enfim estão impedidas de entenderem a mensagem de Paulo em suas cartas.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Grupo Logos: O Evangelho.



Essa música é antiga, da década de 90, mas seu contexto é muito atual. Naquela época as igrejas neopetencostais já estavam fazendo estragos no meio evangélico, por isso essa música além de um louvor é uma denúncia. Tenho alguns CDs do Logos e suas canções são bem escritas, inteligentes, inspiradas por Deus e sem aquelas rimas cansativas, comuns em música gospel, do tipo "Jesus minha luz, me conduz pois tô com vontade de comer cuscuz".

O Logos é um grupo musical simples, familiar, e que não faz parte do grupo dos "vendilhões do templo" do mercado gospel e essa música parece mais uma profecia de Paulo Cezar para nossos dias, tempos terríveis, nos quais fala-se muito do NOME de Jesus em todos as mídias, mas ao mesmo tempo nega-se a Sua PESSOA.

O Evangelho

Composição: Paulo Cezar

Eu sinto verdadeiro espanto no meu coração
Em constatar que o evangelho já mudou.
Quem ontem era servo agora acha-se Senhor
E diz a Deus como Ele tem que ser ...

Mas o verdadeiro evangelho exalta a Deus
Ele é tão claro como a água que eu bebi
E não se negocia sua essência e poder
Se camuflado a excelência perderá!

Refrão
O evangelho é que desvenda os nossos olhos
E desamarra todo nó que já se fez
Porém, ninguém será liberto, sem que clame
Arrependido aos pés de Cristo, o Rei dos reis.

O evangelho mostra o homem morto em seu pecar
Sem condições de levantar-se por si só ...
A menos que, Jesus que é justo, o arranque de onde está
E o justifique, e o apresente ao Pai.

Mostra ainda a justiça de um Deus
Que é bem maior que qualquer força ou ficção
Que não seria injusto se me deixasse perecer
Mas soberano em graça me escolheu

É por isso que não posso me esquecer
Sendo seu servo, não Lhe digo o que fazer
Determinando ou marcando hora para acontecer
O que Sua vontade mostrará.

Enquanto isso na Fogueira Santa...


http://jasielbotelho.blogspot.com/

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

DÍZIMO: Será que algum pastor aceita esse desafio pela fé?


Proponho uma atitude corajosa e verdadeira, dentro do embate entre a CRUZ e os CIFRÕES muito comum em nossos dias. Conclamo a todos os pastores honestos, que ainda não o fizeram, a assumirem uma postura ética e não-corporativista no trato dessa questão. É muito comum vermos apóstolos, bispos, pastores e até padres "mui machos", cheios de razão, esmurrando seus púlpitos para falarem do "pecado de ovelha", mas existe um erro grave, um engano sutil, que é uma trave nos olhos dos clérigos de 99% das igrejas. Um fingimento de que vivem na graça, mas descobriram que a lei é mais vantajo$a, então a partir de hoje vamos deixar de hipocrisia e combinar o seguinte:

Em nome do Senhor Jesus Cristo, com fé, subam nos púlpitos de suas igrejas no próximo domingo, tomem a CRUZ de Cristo e tenham a CORAGEM e a HONESTIDADE de pregar a VERDADE confessando que o DÍZIMO não é obrigatório, na verdade confessem que ele nem existe mais, pois é uma categoria MORTA dentro da verdadeira Igreja de Cristo. Expliquem a VERDADE, sem titubear, digam que (na melhor das hipótetses) se enganaram todo esse tempo e admitam que quando cobraram o DÍZIMO se apropriaram por ignorância, de algo que Deus não mandou cobrar nesta dispensação, por puro costume herdado dos antecessores.

Tomem a CRUZ de Cristo e ensinem que o DÍZIMO só era devido pelos Judeus, na Velha Aliança, que retiravam da terra seu sustento. O mesmo era entregue aos levitas e não aos sacerdotes. Lembrem às ovelhas que o Senhor Jesus não ensinou a cobrar dízimo, pelo contrário ele era sustentado pela generosidade espontânea de seus seguidores e que elas sigam esse exemplo. Lembrem que Paulo não cobrou dízimo, mas era mantido pelas ofertas voluntárias, e quando não tinha as ofertas financeiras dos irmãos, ele “se virava” pra se manter. ASSUMAM que o dízimo não faz parte das práticas do Novo Testamento, nem foi sancionado pela igreja, visto como a igreja não é Israel. Paulo dedica o capítulo 9 de 2 Coríntios ao assunto das ofertas e nunca menciona o dízimo. Não usem ML 3:10, e muito menos MT 22:21, “Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus” colocados totalmente fora de contexto para reforçar o engano.



Tomem a CRUZ de Cristo e tenham a CORAGEM de ensinar às ovelhas que as suas ofertas financeiras devem ser dadas por amor ao Evangelho, que naturalmente podem exceder aos 10%, mas sempre sem esperarem NADA em troca, e sem barganhas com Deus, pois...

"CADA UM CONTRIBUA SEGUNDO PROPÔS NO SEU CORAÇÃO; não com tristeza, ou por NECESSIDADE; porque Deus ama ao que dá com alegria." 2Cor 9:7.

... logo está patente, claro e óbvio que não existe a rigidez obrigatória e dos 10% usualmente extorquida nas igrejas. Os recursos doados ( e não extorquidos) são para sustentar os custos de se manter uma igreja ativa em sua estrutura física, sustentar aqueles que estão na trincheira e se DEDICAM INTEGRALMENTE NA IGREJA.

Tomem a CRUZ de Cristo e RASQUEM aquela listinha de CIFRÕES afixada na porta da TESOURARIA DA IGREJA com os nomes dos irmãos que deram o dízimo no mês, que é uma tremenda BAIXARIA!

Muitos preferem pregar o engano mesmo sabendo que o DÍZIMO é um mandamento da Lei, e como as suas ovelhas não cumprem toda a lei, logo estão sob MALDIÇÃO conforme diz o Apóstolo Paulo:

“Todos aqueles, pois, que são das obras da lei estão debaixo da maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanecer em todas as coisas que estão escritas no livro da lei, para fazê-las.” GL 3:10


O problema é que falta a CORAGEM de não ter uma receita certa de 10% "por cabeça" dentro da Igreja, e esse MEDO de Tomar a CRUZ e viver essa VERDADE faz com que muitos pastores honestos prefiram PREVARICAR e submeter a igreja à maldição da Lei de GL 3:10, mantendo o anacronismo respaldado em ML 3:10 só por causa de meros CIFRÕES de Mamom, ao contrário de viverem honestamente pela fé e da generosidade voluntária dos irmãos, cujas doações podem até exceder aos 10% em muitos casos, nada impede quando se faz por amor e generosidade, sem imposição.

E, sobretudo, subam no púlpito no domingo, e ensinem que se deve amar Jesus por quem ele é, sem esperar nada em troca, sem esperar coroa nem medalha, nem galardão nos Céus... Pois Ele deu a sua VIDA... Alguém quer algo mais?

Vamos TOMAR A CRUZ de Cristo, queridos pastores honestos (os que ainda não o fizeram) ensinando essa VERDADE mesmo que doa no cofre da igreja?

Que tal tirar essa trave em forma de CIFRÕES do olhos antes de pregar sobre FÉ, CORAGEM e VERDADE?

Alguns me responderão com outra pergunta:

- Como a igreja sobreviverá sem os dízimos?

Resposta: A igreja não precisa sobreviver de um imposto falido sob um pretexto mentiroso. Que viva da fé e no espírito de 2co 9:7, cuja proposta é a generosidade e expontaneidade da oferta dos seus membros. Como era com Jesus e com os apóstolos. Simples assim.

Tomem a Cruz de Cristo! Pois terão mais trabalho sem a ajuda da fixidez estelionatária do chicote da lei.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

A cronologia de Jerusalém.



video


Um documentário narrado, do Monte das Oliveiras, sobre os 3000 anos de história cidade de Jerusalém, citando todos os fatos importantes acontecidos nessa cidade de Abrãao ao Senhor Jesus. Muito importante para enriquecer nosso entendimento sobre seu contexto histórico.

domingo, 3 de outubro de 2010

O Evangelho e seu significado.



O Evangelho é a boa nova de Jesus Cristo, esta boa notícia tem sido pervertida no Brasil nos últimos 20 anos pela nefasta Teologia da Prosperidade e pela confissão positiva da "Fé Rhema". Nesse vídeo Jonh Piper traz à luz o significado do Evangelho em contraponto ao que ensina essa "teologia".

Os "zumbis" Evangélicos.




A Teologia da Prosperidade é uma fábrica de veneno embalado pra presente. Se Jesus aceitasse as propostas do diabo na tentação, com certeza, ali teria iniciado biblicamente essa Teologia. O seu resultado é mais ou menos igual ao da lenda pagã que diz que se uma pessoa for mordida por um vampiro, vira igualmente outro vampiro. As práticas mostradas no vídeo da igreja africana são idênticas em tudo, até no pedir da oferta, com as igrejas neopetencostais brasileiras.

Na IURD (Igreja Universal do reino de Deus), por experiência própria, verifiquei que a vítima é transformada em praticamente uma “zumbi” espiritual sem se dar conta. Ela chega no seu primeiro dia de igreja sem saber de nada, como um “cd virgem”, sem nenhuma informação de Jesus, senta-se no banco confortável de uma catedral e recebe do púlpito um "ensinamento" que vem de uma pessoa que um dia esteve na mesma situação dela, zerada de qualquer informação a respeito do Evangelho. Nesse ambiente o Novo Testamento não é pregado (se for gera logo conflito com a mensagem proposta pelo palestrante), a bíblia raramente é aberta, fica fechadinha no púlpito. Normalmente usam-se versículos do Antigo Testamento previamente estudados e encaixados fora de contexto para que ratifiquem a proposta da “campanha” do mês. O pastor, que aspira ser bispo um dia, anda de um lado para o outro, esmurrando o ar, em uma performance de guerreiro, argumentando o tempo todo o porquê que se deve fazer a tal campanha e no final do culto distribui um envelope personalizado para que a vítima traga sua oferta no próximo culto. No fim dessa inoculação venenosa, que passa de um envenenado mais antigo para uma nova vítima, aquela pessoa que chegou nessa igreja meses a trás, sem nenhuma informação de Cristo, já tem o seguinte discurso no coração:

- “Aqui aprendi que nesse momento não preciso do seu Evangelho, Jesus! Mostre-me, primeiramente, que você é poderoso o suficiente para eu acreditar em você. Dê-me essa prosperidade que o pastor diz que você tem, pois quero ver para crer. Prove-me seu Poder dando-me a minha benção financeira antecipadamente, para que eu entregue um dia meu coração a Ti.”


Obviamente que existem nesse meio, pessoas que até suportam essas inoculações, mas querem realmente conhecer Jesus e não tem esse discurso de um coração envenenado, mas essas não duram muito tempo ali, pois querem ouvir a voz do Bom Pastor e com o tempo percebem que Ele não está presente. Na verdade, nesses ambientes, o nome de Jesus é só um elemento atrativo, para seduzir a vítima, pois convenhamos, qual é o nome que tenha maior credibilidade do que o de Jesus? O nome dEle é falado o tempo todo, mas a sua Pessoa é negada nas atitudes e nas inteções.

A mente da vítima é transformada, ela se torna um soldado pronto para passar adiante o que recebeu, um verdadeiro "zumbi apaixonado" a serviço do reino de um deus que Jesus não conhece. A vítima pensa que é livre porque, no início, um suposto demônio saiu de dentro dela nos cultos de libertação, mas não foi alimentada com o excencial que é a Palavra, e sim com o novo “veneno” parecido com a mensagem de um evangelho "tabajara" , que a mobiliza para trazer dinheiro e outras vítimas, tudo pelo “reino de deus”. Se com o passar do tempo não tiver exito a culpa é da fé que ela não teve. Conheço pessoas que estão nessa situação há décadas, buscando esse bilhete premiado celestial, ou se sentindo psicologicamente ameaçadas pelo fantasma da suposta maldição de saírem de lá, com isso ficam com as mentes acovardadas, acreditando que esse é o unico caminho e repetindo dentro de si frases de efeito como: "Desistir é a saída dos fracos. Insistir é a altenativa dos fortes!". Enfim, são enganadas pelo mesmo diabo que tentou Jesus e o levou ao pináculo do templo, só que essas vítimas se jogam de lá em toda Fogueira Santa.





Oremos com compaixão por esses nossos irmãos, principalmente pelos obreiros, que já se acostumaram ao efeito do veneno e muitos não têm mais forças nem meios de sair. E para aqueles que acham que os sinais e maravilhas, tais como demônios se manifestando e pessoas sendo curadas que se vêem nesses ambientes são autenticadores do Poder e aprovação de Deus, segue o que diz Jesus em MT 7: 22 e 23.

“Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.”

sábado, 2 de outubro de 2010

A verdade sobre o Dízimo .


"...O dízimo não é uma doutrina do Novo Testamento. É doutrina do Velho Testamento, e Jesus disse que a Lei e os profetas vigoraram até João. Paulo nos aconselha, em Gálatas 5:1: “Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão”. Isso quer dizer que nenhum cristão deve ficar sob o jugo de coisa alguma, nem mesmo da Igreja, pois é livre para fazer o bem. Deve praticar boas obras, dar o dízimo, SE QUISER, mas somente a uma coisa ele está obrigado - é a amar o próximo, conforme declaração do mesmo Paulo, em Gálatas 5:14: “Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”. Os pastores neopentecostais são sempre os mais ávidos cobradores do dízimo. Isso porque, além de serem tremendamente utilitaristas, eles são arminianos. Crêem piamente e ensinam aos pobres membros de suas igrejas que “o crente pode cair da graça” e perder a salvação. Ora, Cristo é o Senhor eterno e absoluto dos céus e da terra. Ele morreu pelos nossos pecados, ressuscitou gloriosamente e, através da fé que depositamos em Seu sacrifício, Ele nos dá a salvação eterna. Então, que “salvação eterna” é essa, que pode ser perdida pelo crente, se ele cometer pecados... se deixar de entregar o dízimo? Isso é balela católica assimilada pelo neopentecostalismo. CRENTE NENHUM JAMAIS PODE PERDER A SALVAÇÃO, isto é, se realmente passou pelo novo nascimento. Desse modo, não ficarei admirada se, qualquer dia desses, os pastores neopentecostais começarem a pregar também a doutrina do purgatório e a pedir dinheiro aos membros de suas igrejas, a fim de retirar de lá os parentes falecidos. Há poucos dias, um pastor da cidade, falando diante do esquife de um membro de sua Igreja, fez esta espantosa declaração: “Era um membro fiel e digno de imitação... entregava pontualmente o dízimo, etc.” Pelo visto, esse pastor acredita piamente na salvação pelas obras, pois essa ovelha que estava sob o seu cajado, tendo entregado pontualmente o dízimo, é “digna de imitação” e, portanto, da salvação..."

Trecho do livro: "Dízimo do dízimo" de Mary Schultze

Leia-o completo aqui, ou copie e cole no seu navegador o endereço a seguir:

http://www.scribd.com/doc/4796274/O-DIZIMO-DO-DIZIMO-Mary-Schultze

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Leonardo Gonçalves: Obrigado



Jesus veio transformar a religião fria e hipócrita em uma relação genuína de amor entre o homem e Deus.

Minha primeira postagem é um agradecimento em forma de música, um louvor não somente ao nome, mas à Pessoa do nosso Bom Pastor Jesus. Louvor a Sua simplicidade, a Sua coragem, a Sua subversão amorosa, a Sua verdade, e a tudo que Ele representa para todos nós que O amamos.

O vídeo desse clipe é simples como Jesus, sem purpurina, sem apoteose, mas muito significativo. É uma montagem de trechos dos Desenhos Bíblicos que passavam no SBT nas manhãs de domingo de muitos anos atrás, dos quais tenho saudades.

Musica: “Obrigado”, de Leonardo Gonçalves.

Clipe: Topet Produções.